11 de junho de 2012

*as tardes de verão


*ultimamente "as tardes de verão" tem sido tema recorrente por muitos sítios da internet.. ele é facebook, ele é blogs de todo o tipo, etc etc etc... 

*ahhh que neurazinha que me dá não poder dizer o mesmo. por aqui os dias são mais para o cinzentos, não tenho praia perto nem aqueles nossos petiscos maravilhosos.. falta-me aquele sol abrasador, as nossas esplanadas, os amigos.. 

*as saudades apertam. o prazer de vestir um bikini, uma roupa leve e umas chinelas.. ver o mar, sentir a brisa no rosto, o cheiro da maresia..

10 comentários:

  1. Querida és de onde exactamente?
    Foi fácil te habituares a algo tão diferente de Portugal?*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. *estou em Münster, na Alemanha. não não foi.. no início andei a bater com a cabeça nas paredes e chorava baba e ranho. agora estou mais adaptada, mas continua a ser difícil: os hábitos e a cultura são diferentes, são pessoas frias e distantes, não se preocupam minimamente com o facto de seres estrangeira e não perceberes a língua, etc etc etc...

      *viemos para cá porque o meu homem foi convidado a vir para cá trabalhar. deixei o meu trabalho para o acompanhar e não estou a trabalhar aqui (sou advogada e não consigo arranjar trabalho, e mesmo para coisas simples fica muito difícil arranjar porque não falo fluentemente a língua). mesmo tendo sido a convite, as próprias pessoas da empresa não querem saber da nossa existência..

      *enfim, não é fácil, mas temo-nos um ao outro. temos agora um casal português que veio para cá nas mesmas condições e acabamos por nos juntarmos. mas ainda assim não é a mesma coisa.. falta tudo o resto..

      Eliminar
    2. Poxa como é possível convidarem-vos a irem para fora e terem uma recepção tão fria?
      De facto sempre me disseram que na Alemanha o clima é tudo menos acolhedor, no entanto também já ouvi o contrário, um amigo meu foi trabalhar para aí num projecto de 2 anos (informática) e no final quis continuar, Portugal? Só vem de férias. lol
      Há quanto tempo estás aí? E quanto tempo prevês ficar?

      De facto o que nós fazemos por amor :)

      Eliminar
    3. *pois, mas eles são mesmo assim.. só se interessam pela vidinha deles e esquecem os outros.
      *sabes que trabalhar aqui é melhor: eles têm mais respeito por ti enquanto pessoa e pela vida privada. mas depois também acaba aí..
      *estamos cá quase há um ano e não temos perspectivas de regresso. vamos ver...

      Eliminar
  2. Acredito que seja mesmo difícil. Eu sempre disse que dificilmente me adaptaria a viver fora por tudo e mais alguma coisa, desde a falta dos meus, ao simples facto de não ter este clima fantástico!

    Mas pensa que ao menos estás com o teu amor. Foram por tempo indeterminado ou com data de regresso marcado? Se for esta 2ª possibilidade, vais ver que o tempo passa rápido até voltares :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. *eu sempre quis ter uma experiência no estrangeiro, mas não na situação em que me encontro. mas foi uma decisão tomada em consciência, apesar de tudo. só nunca pensei é que fosse tão difícil.. este povo é muito fechado, facto que torna as coisas bem mais complicadas..

      *tempo indeterminado e com o clima actual também fica mais complicado voltar.. vou vivendo um dia de cada vez, e tentar saborear as coisas boas, que também as há como é óbvio.. vamos ver o que o futuro nos reserva..

      Eliminar
  3. Força, tudo se supera. Mais cedo ou mais tarde vais estar familiarizada! Mas as saudades apertam sempre...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. *apertam e vão apertar sempre.. mas com o tempo tudo se vai tornando mais fácil! =)

      Eliminar
  4. As tardes de verão fazem parte de um desafio, por isso é normal que leias sobre isso em todo o lado. :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. *desconhecia.. mas mantenho o meu lamento, que se deve ao facto de eu não poder falar sobre isso, bem entendido.. para mim o mote seria mais do género "tardes de verão que mais parecem tardes de uma primavera aborrecida"! lol

      Eliminar