29 de janeiro de 2016

Ai as minhas "cruzes"


Ando doida com dores nas costas. Isto de estar grávida, por muito que se considere uma benção - que é! - tem muito que se lhe diga. E o pior é que não há muito que se possa fazer. Já falei com a minha midwife e após pesquisa também na internet, só me resta:
  • descanso;
  • massagem;
  • banho relaxante, com água não muito quente;
  • fonte de calor nas costas;
  • hidroginástica, yoga ou pilates;
  • acupuntura, para dores muito fortes.
Vou começar pelo mais básico e depois logo se vê, senão por este andar não aguento muito mais tempo. E ainda me faltam 16 semanas pela frente!!

27 de janeiro de 2016

Todas loucas!!


E eu começo mesmo a acreditar que sim. Começando desde logo peça privação do sono ainda a criança não nasceu. Sei que não acontece com toda a gente, mas a mim está a acontecer outra vez. Vou na minha segunda gravidez e confesso que o não conseguir dormir é o que mais cabo dos nervos me dá. Sim, quando a criança nasce as coisas também não são fáceis, mas felizmente com a M. consegui descansar, até porque ela acordava uma vez por noite para mamar, por isso até que nem me posso queixar. Mas a fase da gravidez para mim é terrível: não tenho posição confortável para me deitar - eu sou daquelas que dorme (ou dormia!) de barriga para baixo -, o estar grávida não é de todo aquilo que mais gosto e o peso que neste momento já carrego só dificultam as coisas. E ainda me faltam cerca de quatro meses pela frente..

Não sei como vou aguentar até ao fim. Com uma toddler em casa e sem dormir nada de jeito, ando num autêntico farrapo. As minhas olheiras assustam qualquer um - até a mim quando me olho ao espelho. Adormeço no sofá a meio da tarde. Volta e meia e dou por mim a arrumar coisas em sítios estapafúrdios: tampas de panelas no frigorifico, talheres sujos no lixo, pacote de manteiga na mala, chinelos na cama, etc etc etc. O chamado "cérebro de grávida" é tramado!!

Por tudo isto e muito mais, não me custa nada acreditar que as mães são todas um pouco loucas!

26 de janeiro de 2016

"Socorro... Eles crescem tão rápido!"


Este livro foi-nos (a mim e ao maridaço) oferecido no Natal por uns amigos. E apesar de não ser de todo o tipo de livros que compro - não compro livros que tenham a ver com crianças ou que de alguma forma esteja com elas relacionados, apenas compro todos os meses a Pais & Filhos, porque essa sim, tem dicas importantes e artigos de profissionais que podem de alguma forma ajudar a tirar dúvidas e a dar conselhos importantes -, mas confesso que gostei muito de ler, até porque está escrito de uma forma muito leve, humorística e sem achar (a autora) que é ou sabe mais que todos os outros pais. É simplesmente a forma dela de ver a maternidade/paternidade. 

Agora que já o li, é daqueles que vai ficar ali à mão para quando precisar de uns pequenos conselhos de como tratar birras e afins!

Bom dia!! =)

21 de janeiro de 2016

Maratona?? Quase...


Não fiz a maratona, mas parece que andei lá muito perto. E digo parece porque nem perto da mini maratona andei. A questão é tão somente uma: para uma grávida de 22 semanas (neste momento) andar cerca de 2 km seguidos equivale mesmo a uma maratona. E foi o que fiz. Cheguei a casa à cerca de 15 minutos e continuo com os bofes completamente de fora!! Houve ali um momento em que se não estivesse mesmo quase a chegar a casa, e não estivessem 3º, me tinha sentado no chão à espera de ganhar força e coragem para terminar o caminho. Enfim, coisas de grávida..

20 de janeiro de 2016

Raio do bicho..


Tudo constipado cá por casa. Claro que o tempo está de feição para tal, mas ainda assim é sempre chato. Eu e a M. somos quem cá está pior; o maridaço acaba por se safar até porque não está tanto tempo connosco, principalmente nesta altura de fecho de ano na empresa. E nenhuma de nós acaba por melhorar a 100% porque estamos as duas juntas o dia todo - ela agora tem ficado em casa a curar a constipação. Enfim, uma chatice, para as duas!! Espero que isto passe depressa, que não há quem aguente...

15 de janeiro de 2016

Rosácea


Descobri que sofro de uma doença de pele crónica chamada rosácea - vá lá, pelo menos não é um nome horroroso como tantos outros..

Há muitos anos que noto que depois de tomar banho, beber álcool, sair com temperaturas muito frias ou muito quentes começava a sentir um calor enorme na cara e apareciam-me manchas vermelhas, especialmente na zona da testa, bochechas e nariz. Não era coisa que me chateasse muito, até porque ao fim de algum tempo acabava por desaparecer. Sempre pensei que fosse só mesmo por exagero - água muito quente ou muito álcool -, mas afinal não, afinal é mesmo uma doença que tende a piorar com o tempo caso não se faça tratamento. Parece que cura não há, mas o tratamento atenua. Felizmente o meu problema é muito ténue, especialmente quando comparado com o de outras pessoas, mas ainda assim não quero que piore.

Para já, e porque estou grávida, não vou fazer tratamento nenhum, até porque pode ser prejudicial para o bebé e a médica aconselhou a esperar. Afinal quem vive assim desde já uns, sei lá, 10 anos, bem que pode esperar mais uns meses... A única coisa que vou fazer, e que foi a médica que me deu, é começar a usar cremes próprios para a coisa. Só mesmo para dizer que faço alguma coisa para prevenir...

14 de janeiro de 2016

Há dias e dias


Há dias feios e dias bonitos. Não tanto por estar a chover ou um sol radiante, mas porque nós próprios nos sentimos menos bem. E hoje, para mim, é um dia feio. Claro que o estar a chover torrencialmente não ajuda, confesso.

Estou farta de estar fora do meu país, de me sentir limitada pela língua, de não saber se a minha filha é totalmente feliz no infantário onde está, até porque eles não nos dão todas as informações que recebemos e temos a noção de que as capacidades linguisticas delas são mais limitadas por nenhum de nós ser alemão, de não ter perspectivas de trabalho, não só porque o inglês não é suficiente, como o curso que tirei ser muito específico e só mesmo em Portugal, ou em países lusófonos, conseguir trabalhar.

Enfim, por tudo isto e muito mais, estou cansada de estar aqui e quero voltar. Sei que não é fácil e só conseguiremos mesmo ir quando o maridaço arranjar trabalho, porque com certeza não será à minha conta que conseguiremos sobreviver, especialmente com duas crianças a cargo.

Às vezes sinto-me a fraquejar, como hoje, outras ganho um novo ânimo. Mas este ânimo facilmente acaba, até porque o maridaço está tão ou mais farto que eu, o que não ajuda a encarar as coisas com outras olhos. 

Melhores dias virão! E um futuro mais risonho também! =)

12 de janeiro de 2016

Oh well...


Há coisas que me deixam tristes e algo desiludida. Como estou em casa basicamente sem fazer nenhum, queria voltar a estudar, pelo que mandei um e-mail para a universidade cá do sítio a questionar se tinham pós-graduações ou mestrados em Direito que fossem ministrados totalmente em inglês, já que o meu alemão não é de todo suficiente. Recebo uma resposta cerca de 30 minutos depois (uau!!!): não têm qualquer pós-graduação ou mestrado em inglês, como para estudar ali tenho que apresentar um certificado de conhecimentos C2 em alemão (só tenho o B2!).

Já estava à espera que os cursos em si tivessem que ser em alemão, mas numa cidade super internacional como Düsseldorf, sempre pensei que tivesse estudos avançados - ok vá, se calhar uma pós-graduação seria pedir demais! - em inglês! Enfim, ou volto a aprender alemão, coisa que, confesso, não me apetece nem um bocadinho, ou fico quieta.

Taras: cada um com as suas



Eu adoro comer tangerinas. São boas e sabem-me bem. E nunca como apenas uma de cada vez. O problema - para os outros, que para mim não há nenhum - é que demoro cerca de 10 minutos - sim, 10 minutos!, que já foi cronometrado - a comer uma! Parece mentira, mas é verdade. E porquê: porque não consigo comer tangerinas sem retirar todos, e digo mesmo TODOS, os fios, aquelas as cenas (suponho que haja um nome correcto para a coisa, mas eu não sei qual é) brancas, caso contrário sabe-me mal. O maridaço ri-se e quem me vê a comer pela primeira vez, não tira os olhos de cima de tão espantado que fica. Cada um com as suas taras...



11 de janeiro de 2016

Mary Poppins


Dei a conhecer à M. a Mary Poppins e ela adorou. Agora é Mary Poppins non stop cá em casa. Ela canta (ou coisa do género), ri, fica doida quando ela voa, arruma o quarto com o estalar dos dedos ou bebe chá no tecto, mas acima de tudo o que ela gosta mesmo é de dançar ao ritmo das músicas do filme, especialmente do Step in Time.

Sempre gostei muito do filme e era ritual vê-lo sempre que, em miúda, ia a casa dos meus avós. Agora que tenho uma filha, e outro já a caminho, decidi que ia começar a comprar os clássicos da Disney para eles verem e poderem crescer com as personagens, até porque queremos levá-los à Disneyland daqui a uns (muitos!) anos, e não faz sentido irem e não reconhecerem os personagens mais antigos.

Até nós nos temos deliciado com os bonecos e com a magia por detrás deles, quanto mais ela! Já só falta mesmo, quando possível, introduzir a Disney ao A.. =)

8 de janeiro de 2016

De coração apertadinho


Literalmente! Hoje a M. acordou estupidamente cedo (tipo 5h!!) e desde então não voltou a dormir. Queixa-se de dores ao fazer xixi e faz a cada 15/30 minutos. Já para não dizer que volta e meia não se aguenta e faz mesmo nas cuecas. Já liguei para a Pediatra e vamos ver como passa a manhã. Se não houver melhorias lá vamos nós fazer o teste. Não gosto nada de a ver neste estado, até porque sei bem o que custa ter infecções urinárias - se se confirmar!

Cá para mim isto é coisa do infantário. Começa logo por não saber a quantidade de água que lhe dão. E passando pelo facto de os miúdos, mesmo os de 2 anos, irem sozinhos ao wc e eles não irem com eles para os ajudar a limpar. Sim, não ajudam de todo; ontem a M. chegou a casa e tinha as cuecas sujas porque eles não foram ver se se tinha limpo bem. Eu percebo que os incentivem a ser independentes, mas isto também é uma questão de saúde, principalmente para as raparigas, que podem arranjar infecções à conta destas coisas.

Enfim, vamos ver como ela passa o resto da manhã e esperar que fique bem depressa.

6 de janeiro de 2016

Adeus Natal


É Dia de Reis, logo é dia de retirar as decorações de Natal e voltar ao dia-a-dia do costume sem a beleza de ter a casa a "cheirar" a Natal. Lá passei a manhã a arrumar tudo, com um misto de tristeza - porque adoro ter a época natalícia - e alegria - porque irei sentir novamente a emoção de voltar a decorar a casa e de ter o Natal a chegar. Agora resta saber como é que a M. vai reagir ao ver que já não temos árvore, nem decorações nenhumas em casa, já que ela andava sempre à volta das bolas da árvore de Natal e dos Pais Natal de chocolate.

5 de janeiro de 2016

Vidas...


Há notícias que nos caem que nem bombas. E ontem à noite foi isso que me aconteceu: soube que uma colega da faculdade, da minha idade, do mesmo curso e que foi comigo no carro da Queima das Fitas faleceu ontem vítima de cancro. Apesar de não a considerar uma amiga, a morte dela não deixa de me ser indiferente, e leva-me a pôr em perspectiva toda a minha vida e a daqueles que me rodeiam, e o quanto pode ser injusta. Tomamos tudo como certo e aborrecemo-nos com coisas que não têm a mínima importância. Nos últimos anos, vi uma colega a perder o noivo, uma amiga a vencer um cancro, um amigo a morrer de acidente de viação e agora esta a morrer vítima de cancro. Todos da minha idade. Todos pessoas com quem vivi/convivi durante anos. Todos com a sua importância na minha vida.

Tenho 33 anos, marido, uma filha e outro a caminho. E pergunto-me: que mundo é este? o que nos espera pela frente? É impossível ficar indiferente, é impossível continuar a levar a vida como até aqui...

RIP Filipa. Serás sempre recordada.

1 de janeiro de 2016

Bom Ano!!


Novo ano a começar e uma nova oportunidade de alcançarmos tudo aquilo que desejamos e nos faz feliz. 
Que o pior deste ano novo ano seja o melhor do ano que passou e que a felicidade vos bata à porta!

Feliz Ano de 2016!!